Editora Unesp publica 4 livros para despertar a memória do brasileiro

Editora Unesp publica 4 livros para despertar a memória do brasileiro

Para resgatar o pensamento filosófico, histórico e cultural do leitor brasileiro, a editora Unesp lançou em 2018 três livros que nos convidam para repensar desde os tradicionais intercâmbios artísticos e culturais entre Brasil e Europa até a concepção de conhecimento humano e seus conflitos. Esses temas podem ser aprofundados nos livros “Um mundo sem guerras, de Domenico Losurdo; A arte de escrever, de Étienne Bonnot de Condillac; Três Utopias Contemporâneas, de Francis Wolff; e “A Ilustração” de Tania Regina de Luca.

Leia a seguir a apresentação oficial dos livros.

1 – Um mundo sem guerras

Nesta obra, Domenico Losurdo traça a história da ideia de paz, desde a Revolução Francesa até os dias atuais, e problematiza questões dramáticas de nosso tempo: é possível construir um mundo sem guerras? Devemos confiar na não violência? A democracia é garantia real de paz ou pode transformar-se em ideologia de guerra? Refletir sobre as promessas, as decepções, as voltas e reviravoltas da história da ideia de paz perpétua é essencial para compreender nosso passado e dar novo impulso à luta contra o crescente perigo de novas guerras.

Link para o livro: http://editoraunesp.com.br/catalogo/9788539307456,um-mundo-sem-guerras

2 – Ensaio sobre a origem dos conhecimentos humanos

O “Ensaio sobre a origem dos conhecimentos humanos” de Condillac é uma obra capital para a filosofia das Luzes. Realiza-se aí uma sistemática e minuciosa reconstituição das operações da alma humana, ao mesmo tempo que se retraça a geração das faculdades do pensamento, desde sua origem na percepção, com a intenção de conhecê-las e determinar os limites de seu exercício. Em meio a essa investigação, a linguagem surge como o ponto de apoio do qual depende a própria constituição das faculdades superiores do espírito.

Link para o livro: http://editoraunesp.com.br/catalogo/9788539307340,ensaio-sobre-a-origem-dos-conhecimentos-humanos

3 – Três utopias contemporâneas

Perdemos os dois marcos que outrora nos permitiram distinguirmo-nos dos deuses e dos animais. Não sabemos mais quem somos, nós humanos. E daí nascem novas utopias. Por um lado, o pós-humanismo alega negar nossa animalidade e nos tornar deuses, a quem a imortalidade é prometida pelas virtudes da tecnologia. Por outro lado, o animalismo nos quer animais como os outros, e convida outros animais a fazerem parte de nossa comunidade moral.
Forgemos então uma nova utopia de acordo com nossos próprios moldes. Não procuremos mais negar as fronteiras naturais – aquelas que nos separam dos deuses ou dos animais – e defendamos um humanismo consequente, isto é, um cosmopolitismo sem fronteiras.

Link para o livro: http://editoraunesp.com.br/catalogo/9788539307432,tres-utopias-contemporaneas |

4 – A Ilustração

Seria possível que um leitor parisiense, lisboeta ou fluminense tivesse acesso quase simultâneo às mesmas estampas em pleno século XIX? Contrariando nossas expectativas, Tania de Luca mostra que sim: o diálogo cultural e simbólico era intenso e rápido, muito mais do que imaginaríamos, numa riqueza e diversidade impressionantes. Sua obra convida a rever velhas noções de recepção passiva e influência, bem como todas as metáforas associadas ao espelho e ao reflexo quando se pensa nas distâncias culturais entre a Europa e nosso país. Aqui, o que iremos ver são trocas nos dois sentidos, com apropriações, reapropriações e criações múltiplas, num cenário tão profícuo quanto seminal.

Link para o livro: http://editoraunesp.com.br/catalogo/9788539307210,a-ilustracao-1884-1892 

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*